segunda-feira, 29 de agosto de 2022

Idade d'alma



ALIPE - Academia Literária Internacional de Poetas e Escritores
Acadêmica: Valdelice Nunes
Patrono: Chico Anysio
Cadeira: 141
Data: 29.08.2022
Postagem Oficial



Cronologia
Conta o tempo
mas o tempo
não domina a
alma

Minh'alma
não se prende
à linha do tempo
Ela é livre
vive cada segundo
fazendo da vida
o melhor no seu
mundo

Idade
não diz quem sou
 Nem do que quero
para a vida
Há tantas pessoas
velhas
e nem começou
a viver ainda

Idade
convenção social
que limita
e dita regras
Mas a idade
de minh'alma
contesta

Velhice?
Quem foi que disse
que é ter mais idade?
Há tantos "velhos"
que não viveu nem
um terço 
das experiências
 de muitos jovens
no começo
 da adolescência

Idade e experiência
não são sinônimos
Mas imposição
social
para lhe dizer
quando e onde
você não serve 
mais 

Mas a alma 
me diz 
do que ainda 
sou capaz




Valdelice Nunes
Agosto/2022
*imagem* arquivo pessoal 

quinta-feira, 18 de agosto de 2022

A verdeira vida

Ando descrente
Contextualize o mito da criação
Não que seja irreal
Foi apenas uma linguagem
Para falar de algo complexo 
Os mitos dizem muito além do dito
A verdade da vida no universo
Tudo ainda tão desconexo 

Se souber, explique o porquê da fé confundir... iludir 
Desunir ao invés de unir
O mundo jaz na desinformação
Conhecimentos distorcidos
Na era da informação
Tão descarada contradição

A verdade é que conhecimento é poder,cabe a cada um perceber
E buscar transformação
A desinformação mata todos os dias
Os falsos conhecimentos
Nada acrescentam nessa vida 
Cujo fim é a morte
Seria mesmo essa a nossa sorte?
Minha alma grita
Pede vida
No seio de uma sociedade
Que não produzirá a morte.



Valdelice Nunes
Campinas, SP
Agosto/2022
*imagem* Pinterest
#Jøfráseø_Editora

domingo, 7 de agosto de 2022

Lá no Beco



E lá na rua de baixo,num bairro de uma cidadezinha qualquer,tem um beco esquisito e na casa amarela vive uma senhora que a toda pessoa que passa pergunta as horas.
Ela tem um gato preto que não sai da janela. Não sei quem ele tanto espera.

Na outra rua, mora quatro meninas que parece não ser tão diferente de mim e de você.
Somos adolescentes e gostamos de rir e cantar. Gostamos de colecionar bonecas de pano. E lhes batizar com lindos nomes.
Eu não apareço nesse conto. Quero dizer,não apareço tão claramente. Mas você pode ouvir minha voz. Quando ler cada linha escrita. Por isso nunca fico ausente.


Agora vou lhes apresentar minha amiguinha Vanessa,antes que eu esqueça,ela sonha ser uma linda princesa lusitana e com um beijo de verdadeiro amor transformar em príncipe um lindo sapo que canta na lagoa ao lado de sua casa.
Difícil não cair na gargalhada ouvindo ela falar toda abobalhada.

Ah,você também precisa conhecer a Iruama,ela tem um nome diferente. Gosta de postar fotos vestida com estilo.
Ela muito carinhosa, só que não deixa de lado nossas fofocas malucas.
A gente quando se encontra quase não desgruda!

E não esquecendo da nossa Edinha,ela é a casulinha. Toda linda e meiguinha. Ama estudar a Língua Portuguesa,adora música francesa que ouve nos programas de uma rádio... Num lugar chamado Morro Bento.
Não sei em qual rua fica nem se é aqui da cidade. Isso só ela sabe.
Menina muito inteligente,vive dando dicas para todas nós. Não quer ver suas amigas tirando nota baixa. Edinha é tudo de inusitada!

No finzinho da tarde, passa uma moça elegante de cinza. Lá por volta das dezoito e trinta.
E quando passa na frente da casa amarela,seu cachorro marrom fica alvoroçado. Quase que deixa a moça sem braço. Fica louco para pegar o gato preto. Todo mundo fica na porta,olhando a reação do gato e o beco se agita!
Coisa de cidadezinha,a gente fica na frente de casa e ver todo o movimento das folhas carregadas pelo vento.
A moça alta e franzina fala com autoridade ao seu cachorro marrom,sem alteração no tom voz. Ele se acalma e ambos seguem,logo todos entram e tudo se esquece.


Valdelice Nunes
Campinas, SP
Agosto/2022
*imagens* Pinterest

ALIPINHO/LITERATURA INFANTOJUVENIL
#contoparaadolescente
#gruponofacebook

sábado, 6 de agosto de 2022

Gratidão por Tudo



Não sei por quanto tempo
Vivi o tormento
Pensava que a culpa estava em mim
Penei,sofri…despertei!

Agora até te agradeço
A falta de apoio
As duras palavras
Foi assim que vi luz na estrada
Compreendi que estou seguro.

Obrigada mesmo!
Meu coração não conhece o ódio
Mas gostaria de saber
Se já doeu em ti
Por ser essa pessoa desalmada
Não foi por falta de amor
Não foi rejeição.

Tenho total certeza
Mesmo que a vida
Coisas ruins ofereça
Seremos capazes de resistir 
Apesar de qualquer tristeza.

Enfim,siga seu caminho!
Viva a sua hipocrisia
Assim foi toda a sua vida
Só viu o que quis ver.



Valdelice Nunes
in Esboços Subtraídos
Campinas, SP 
Agosto/2022
*imagem* Pinterest 

#Jøfráseø_Editora

Toque de Recolher

Houve um tempo em que todo o Planeta Terra foi convocado ao confinamento. Ninguém devia andar nas ruas sem um motivo plausível,p...