sábado, 4 de dezembro de 2021

Ângulo


De que ponto olha a cidade,
de qual lado da rua?
A luz é natural ou artificial?
Qual o seu estado emocional
ao percorrer toda a extensão?

Sua vista é de cima
ou de baixo?
A cidade parece calma?
Que cheiros são sentidos?
O que ficou despercebido?

Há sempre algo que a vista
não alcança
O que está oculto influencia?
Onde vive a desesperança?
Há sempre um ponto
onde a luz brilha intensamente
O seu olhar percebe o igual
ou o diferente?

A visão de hoje 
Não será a mesma amanhã
A paisagem se altera
A vida não espera

As direções mudam
A velocidade também
O que você não viu?
O que você não quis ver?

terça-feira, 30 de novembro de 2021

Reajustes




TÁ CHEGANDO A HORA!

Vamos de poesia? Dia 01/12 estarei lançando meu primeiro livro, um poemário que reúne algumas de minhas produções no último anos!
Terá transmissão pelo Instagram.

Então,bora ou vamos?

Não esqueça a MÁSCARA e o CARTÃO DE VACINA!

Este projeto foi executado através dos recursos da Lei Aldir Blanc, com repasse da @prefeituradepenedo e @culturapenedo.

Produção: CRUA ( @alleosanto )

quinta-feira, 25 de novembro de 2021

Não...ainda!



Ainda não posso
Mas quero tanto falar
das cores dos significados

Ainda não!
Não é hora ainda
Logo saberão do começo
Nele está explicado
Alguns ou muitos erros

Tudo começou nele
E dele partiu para
o mundo
foi tudo tão inusitado!
Tudo parecia tão
sem graça…
Não para mim
Lá é onde dou vida
às outras dentro de mim

Tentaram me fazer desistir
Fazer o quê?
Sou nua
minha poesia é crua

Poetizo pra variar
não os culpo
Por não saber compreender
Meus diversos
modos de comunicar
Minhas formas
doidas de expressar
a vida e falar
dos sentimentos

Não,ainda não é o momento!
Logo descobrirão
Ao ler o meu poetizar
Quem sabe,assim,entenderão
que o coração
Bombeia emoções
porque elas o fazem pulsar.

© Valdelice Nunes
Poetizar pra variar
Capa: Alenilton Silva
#cruaeditora

segunda-feira, 8 de novembro de 2021

Vidas


Ela viveu pouco
Eles bebem água
do esgoto para sobreviver

Eles moram sob lonas
Ela conheceu algumas 
Partes do mundo
Falou outro idioma

Estranhamente
Convivemos com absurdos
Nos fazemos cegos
Vivemos completamente mudos

Ela canta e encanta
Eles perderam todos
Os encantos
Nem percebem que 
Estão na contra-dança
Com a desesperança

Ela morreu ainda tão nova!
O tempo de cada vida
Ninguém tem a resposta

Eles esperam nascer
Esperam sobreviver
No mundo que 
Não os deixam crescer.




#PEGAEDITORA_ANGOLA
|imagem: flor da morte - Pinterest|

Ângulo

De que ponto olha a cidade, de qual lado da rua? A luz é natural ou artificial? Qual o seu estado emocional ao percorrer toda a extensão? Su...